loading

Dicas de dimensionamento e instalação em redes Profibus PA




César Cassiolato- Gerente de Produtos
Marcos MesquitaGerente TurnKey & Assistência Técnica
Smar Equipamentos Industriais Ltda

Introdução

Com a tecnologia Fieldbus, os usuários podem ter diversos benefícios proporcionados pela tecnologia digital e além disso, podem tirar vantagens e conseguir otimização e redução de custos de distribuição das redes, garantindo segurança e confiabilidade nas operações.
Para o sucesso de qualquer rede de automação e controle, a instalação deve ser criteriosa e dentro das especificações.Este artigo mostra alguns cuidados e práticas no dimensionamento e instalação que devem ser adotadas em redes Profibus PA e que valem também para as redes H1 do Foundation Fiedbus, uma vez que o meio físico destes protocolos está definido pelo mesmo padrão, IEC61158-2.

 


Definição do meio físico H1

O Profibus PA são protocolos de comunicação digital bidirecional que permite a interligação em rede de vários equipamentos diretamente no campo, realizando funções de aquisição e atuação, assim como a monitoração de processos e estações(IHMs) através de softwares supervisórios.São baseados no padrão ISO/OSI, onde se tem as seguintes camadas: Physical Layer, Communication Stack e User Application, onde podemos citar o gerenciamento de forma abrangente com a aplicação e com advento de modelos baseados em Function Blocks(Blocos Funcionais) mais Device Descriptions( Descrição de Dispositivos, que recentemente foi padronizada de acordo com a IEC, no conceito de EDDL englobando HART, Foundation Fieldbus e Profibus).

O Physical Layer (Meio Físico) é definido segundo padrões internacionais( IEC, ISA). Ele recebe mensagens da camada de comunicação (Communication Stack) e as converte em sinais físicos no meio de transmissão fieldbus e vice-versa, incluindo e removendo preâmbulos, delimitadores de começo e fim de mensagens.

O meio físico é baseado na IEC61158-2, onde podemos citar as seguintes características:

  • Transferência de dados usando codificação Manchester, com taxa de 31.25kbit/s
  • Para um sinal de comunicação integro, cada equipamento deve ser alimentado com no mínimo 9 volts. O meio físico H1 permite que se alimente os equipamentos via barramento. O mesmo par de fios que alimenta o equipamento também fornece o sinal de comunicação.
  • Comprimento máximo de 1900m/seguimento sem repetidores.
  • Usando-se até 4 repetidores, o comprimento máximo pode chegar a 9.5 Km.
  • Um barramento Profibus PA sem segurança intrínseca e alimentação externa à fiação de comunicação dever suportar de 2 até 32 equipamentos em aplicação.
  • O barramento Profibus PA deve ser capaz de se suportar vários equipamentos em aplicação com segurança intrínseca e sem alimentação:
    - Explosion Group IIC: 9 equipamentos e,
    - Explosion Group IIB: 23 equipamentos.
    Obs: Pode-se ligar mais equipamentos do que foi especificado, dependendo do consumo dos equipamentos, fonte de alimentação e características das barreiras de segurança intrínseca, e modelo FISCO.
  • Não interrupção do barramento com a conexão e desconexão de equipamentos enquanto estiver em operação.
  • Topologia em barramento, árvore ou estrela ou mista.

O modelo FISCO tem as seguintes características:

    a) ter um único elemento ativo (fonte de alimentação) no barramento de campo, localizado na área não-classificada;
    b) os demais equipamentos na área classificada são passivos;
    c) cada equipamento de campo deve ter consumo mínimo de 10mA;
    d) em áreas Ex ia o comprimento máximo do barramento deve ser 1000m e em Ex ib, 1000m;
    e) Em termos de cabo(sem restrições para cabeamento até 1000m) deve-se ter os seguintes parâmetros:
    - R´:15 ... 150 Ohm/km
    - L´: 0.4 ... 1 mH/km
    - C´: 80 ... 200 nF/km
    Cabo tipo A: 0.8mm2(AWG18) (*)

    f) Em termos de terminação:
    a. R = 90 ... 100 ohms
    b. C = 0 ... 2.2 μF.

O conceito FISCO foi otimizado para que seja permitido um número maior de equipamentos de campo, de acordo com o comprimento do barramento, levando-se em conta a variação das características do cabo(R', L',C'), terminadores, atendendo categorias e grupos de gases com uma simples avaliação da instalação envolvendo segurança intrínseca. Com isto aumentou-se a capacidade de corrente por segmento e facilitou para os usuários a avaliação. Além disso, ao adquirirem produtos certificados não precisam se preocupar mais com cálculos, mesmo em substituição em operação.



Figura 1 – Exemplo de sinal Fieldbus em modo tensão

 


Figura 2 – Exemplo de codificação Manchester

 

A transmissão de um equipamento tipicamente fornece 10mA a 31.25kbit/s em uma carga equivalente de 50 Ohms criando um sinal de tensão modulado em 1.0 Volt pico a pico. A fonte de alimentação pode fornecer de 9 a 32 VDC, porém em aplicações seguras (IS) deve atender os requisitos das barreiras de segurança intrínseca.


Figura 3 – Modo Tensão 31.25 kbit/s

 

O comprimento total do cabeamento é a somatória do tamanho do trunk(barramento principal) e todos os spurs(derivações maiores que 1m)sendo que com cabo do tipo A(*), é de no máximo 1900m em áreas não seguras. Em áreas seguras, é de no máximo 1000 m, com cabo tipo A e os spurs não podem exceder 30m.


Topologias

Em termos de topologia podemos ter os seguintes modelos, lembrando que estes exemplos são para uma rede Profibus PA, mas que quanto a rede H1 também valem para a Foundation Fieldbus: estrela(fig.4), barramento(fig.5) e ponto-a-ponto(fig.6). Na prática normalmente tem-se uma topologia mista:


Figura 4 – Topologia Estrela

 


Figura 5 – Topologia Barramento

 


Figura 6 – Topologia Ponto-a-Ponto


Dimensionando o número de equipamentos em uma rede Profibus PA

Observe-a figura 7, onde temos uma arquitetura típica em Profibus.


Figura 7 – Arquitetura típica de uma rede Profibus

Basicamente, podemos citar os seguintes elementos de uma rede Profibus:

1) Mestres(Masters): são elementos responsáveis pelo controle do barramento.Eles podem ser de duas classes:

  • Classe 1: responsável pelas operações cíclicas (leitura/escrita) e controle das malhas abertas e fechadas do sistema de controle/automação (PLC).
  • Classe 2: responsável pelos acessos acíclicos dos parâmetros e funções dos equipamentos PA estação de engenharia ou estação de operação: Simatic PDM CommuwinII, Pactware, FieldCare).

2) Acopladores(Couplers): são dispositivos utilizados para traduzir as características físicas entre o PROFIBUS DP e o PROFIBUS PA (H1:31,25kbits/s). E ainda:

  • São transparentes para os mestres (não possuem endereço físico no barramento);
  • Atendem aplicações seguras(Ex) e (Non-Ex), definindo e limitando o número máximo de equipamentos em cada segmento PA. O número máximo de equipamentos em um segmento depende entre outros fatores, da somatória das correntes quiescentes e de falhas dos equipamentos(FDE) e distâncias envolvidas no cabeamento.
  • Podem ser alimentados até 24 Vdc, dependendo do fabricante e da área de classificação.
  • Podem trabalhar com as seguintes taxas de comunicação, dependendo do fabricante: P+F (93.75 kbits/s e SK2:12Mbits/s) e Siemens(45.45 kbits/s).


Tabela 1 – Dados dos couplers


3) Link devices: São dispositivos utilizados como escravos da rede PROFIBUS DP e mestres da rede PROFIBUS PA (H1:31,25kbits/s).São utilizados para se conseguir altas velocidades, de até 12Mbits/s no barramento DP. E ainda:

  • Possuem endereço físico no barramento;
  • Permitem que sejam aclopados até 5 couplers, mas limitam o número de equipamentos em 30 em um barramento “Non-Ex” e 10 em barramento “Ex”.Com isto, aumentam a capacidade de endereçamento da rede DP.

4) Terminador: consiste de um capacitor de 1μF e um resistor de 100 Ω conectados em série entre si e em paralelo ao barramento.Tem as seguintes funções:
  • Shunt do sinal de corrente: o sinal de comunicação é transmitido como corrente mas recebido como tensão. O terminador faz esta conversão.
  • Proteção contra reflexão do sinal de comunicação: deve ser colocado nas duas terminações do barramento, um no final e outro geralmente no coupler.


Cálculo do número de equipamentos em um segmento PA non-Ex
Iremos mostrar o cálculo em um comprimento máximo de 1900m(cabo tipo A), considerando os seguintes dados:

  • Tensão mínima para um equipamento fieldbus operar: 9Vdc
  • Tensão típica fornecida por um coupler Siemens Non-Ex: 19Vdc
  • Corrente típica fornecida por um Siemens Non-Ex: 400mA
  • Resistência de loop do cabo Tipo A(AWG 18) : 44 Ohms por Km(duas vias)
  • Desprezaremos as correntes de FDE, por serem insignificantes comparadas com as quiescentes
  • Equipamentos Smar consomem 12 mA


E tomando como base a lei de Ohm:
V = RxIx(N)
N = V/(IxR), onde:
V = queda máxima de tensão no cabo garantindo a tensão mínima de alimentação no equipamento mais distante do coupler.
I = corrente de cada equipamento PA
R = resistência total
N = número de equipamentos

Substituindo os valores:
N = (19-9)/(12x10-3 x 1.9x 44) = 10 equipamentos

Verificando a corrente total com a máxima corrente fornecida pelo coupler, tem-se:
I = 10 x 12mA = 120mA < 400mA -> OK

Vamos admitir agora, cabo tipo A e um comprimento de 1400 m:
N = (19-9)/( 12x10-3 x 1.4 x 44) = 13 equipamentos

Verificando a corrente total com a máxima corrente fornecida pelo coupler, tem-se:
I = 13 x 12mA = 156mA < 400mA -> OK

Cálculo do comprimento do cabo(tipo A) para 20 equipamentos em um segmento PA non-Ex
L = (19-9) x 1000/(20 x 12x10-3 x 44) = 947 m

Verificando a corrente total com a máxima corrente fornecida pelo coupler, tem-se:
I = 20 x 12mA = 240mA < 400mA -> OK


Cálculo do número de equipamentos em um segmento PA Eex ia IIC
Iremos mostra o cálculo em um comprimento máximo de 1000m(cabo tipo A, área Ex), considerando os seguintes dados:

  • Tensão mínima para um equipamento fieldbus operar: 9Vdc
  • Tensão típica fornecida por um coupler Siemens Non-Ex: 12.5Vdc
  • Corrente típica fornecida por um Siemens Non-Ex: 100mA
  • Resistência de loop do cabo Tipo A(AWG 18) : 44 Ohms por Km(duas vias)
  • Desprezaremos as correntes de FDE, por serem insignificantes comparadas com as quiescentes
  • Equipamentos Smar consomem 12 mA

E tomando como base a lei de Ohm:
N = V/(IxR), onde:
V = queda máxima de tensão no cabo garantindo a tensão mínima de alimentação no equipamento mais distante do coupler.
I = corrente total do segmento PA
R = resistência total
N = número de equipamentos

Substituindo os valores:
N = (12.5-9)/( 12x10-3 x 1.0x 44) = 6 equipamentos

Verificando a corrente total com a máxima corrente fornecida pelo coupler, tem-se:
I = 6 x 12mA = 72mA < 100mA -> OK

Cálculo do comprimento do cabo(tipo A) para 8 equipamentos em um segmento PA Eex ia IIC

Verificando a corrente total com a máxima corrente fornecida pelo coupler, tem-se:
I = 8 x 12mA = 96mA < 100mA -> OK

Determinado-se o comprimento:
L = (12.5-9) x1000/(8x12x10-3 x44) = 828.6 m

Note que a quantidade de equipamentos é totalmente dependente da classificação da área, tipo de cabo, corrente e tensão fornecida pelo coupler e corrente quiescente total dos equipamentos PA.



Dicas de instalação

Seguem algumas dicas de cablagem, blindagem e aterramento, já que em uma rede digital devemos estar sempre atentos aos níveis de ruídos, impedâncias(capacitâncias e indutâncias) indesejáveis e que podem contribuir para a degradação dos sinais:

  • Deve-se evitar splice, que é qualquer parte da rede que tenha comprimento descontínuo de um meio condutor especificado, por exemplo, remoção de blindagem, troca do diâmetro do fio, conexão a terminais nus, etc.Em redes com comprimento total maior do que 400 m, a somatória de todos os comprimentos de todos os splices não deve ultrapassar 2% do comprimento total e ainda, em comprimentos menores do que 400m, não deve exceder 8m.
  • Deve-se ter terminadores no barramento, um no início e outro no final.Não deve-se ligar a blindagem ao terminador e sua impedância deve ser 100 Ohms +/-20% entre 7.8 a 39 kHz.Este valor é aproximadamente o valor médio da impedância característica do cabo nas freqüências de trabalho e é escolhido para minimizar as reflexões na linha de transmissão, assim como para converter o sinal em níveis aceitáveis de 750 a 1000 mV.Um detalhe importante quando se tem a topologia em árvore ou estrela é que devemos centralizar o terminador de tal forma a otimizarmos os comprimentos máximos dos spurs, respeitando-se o limite de 120m. Em casos onde isto não é possível, o recomendado é incluir este spur como parte integrante do barramento principal.
  • Quando repetidores são utilizados, para cada segmento abaixo do repetidor deve ser colocado um terminador.
  • O propósito do shield sob o par de fios trançados é proteger o sinal de ruídos, principalmete devidos à interferência eletromagnética.A atuação do shield só será efetiva quando conectado ao terra somente em um ponto, senão passa a contribuir com caminhos que conduzem correntes parasitas facilitando a introdução de ruídos. O shield é normalmente aterrado na fonte de alimentação ou na barreira de segurança intrínseca.Deve-se assegurar a continuidade da blindagem(shield) do cabo em mais do que 90% do comprimento total do cabo. O shield deve cobrir completamente os circuitos elétricos através dos conectores, acopladores, splices e caixas de distribuição e junção.
  • Em áreas sujeitas à exposição de raios e picos de alta voltagem, recomenda-se os protetores de surtos.
  • Isolar sinal fieldbus de fontes de ruídos, como cabos de força, motores, inversores de freqüência.Colocá-los em guias e calhas separadas.
  • Quando utilizar cabos multivias, não misturar sinais de vários protocolos.
  • Em relação ao aterramento, deve-se ter uma impedância de terra suficientemente baixa com capacidade de dreno suficiente para conduzir e prevenir picos de tensão.Deve-se evitar múltiplos terras e quando estes forem necessários devem ser capacitivos.
  • Evitar loops de terra: quando se tem vários equipamentos aterrados a um terra comum por caminhos diferentes, criando diferenças de potenciais que podem danificar os equipamentos.
  • Respeitar as normas de segurança e classificação da área.
  • Uso de caixa de junção passivas: estas caixas não consomem potência do barramento e estão previstas de acordo com a IEC 61158-2 em instalações fieldbus. O uso do Fieldbus proporciona vários benefícios, como a redução de cablagem e flexibilidade de instalação.Várias topologias podem ser usadas, sendo que a redução de cabos depende da topologia. A maior parte das instalações não se beneficiam da redução de cablagem, devido ao fato de se utilizar caixas de junções convencionais que distribuem o cabeamento para diversos equipamentos. Neste caso, utilizam-se da topologia estrela onde se necessita um grande número de derivações, sendo que cada equipamento requer um par de fios.Veja figura 7. Para realmente tirar-se vantagem da redução de cabeamento, a topologia em barramento deve ser usada. E neste caso, a solução custo-efetivo é alcançada usando-se caixa de junções distribuídas. Um exemplo é a caixa de junção JM400 da Smar. Especialmente projetada para o uso em Fieldbus, a JM400, facilita a distribuição do cabeamento e permite maximizar a economia com cabos, além de dar uma maior flexibilidade de instalação, aumentando a disponibilidade da planta.


Figura 8 – JM400, fácil acomodação do terminador de barramento BT302

O comprimento máximo do segmento é a somatória dos comprimentos dos
dos com troncos e spurs, sendo que comprimentos menores que 1m não são considera
spurs. A quantidade de spurs e o número de equipamentos devem estar de acordo
a tabela 2:


Tabela 2 – Spur x número de equipamentos PA



Figura 9 – Levantamento do comprimento total do segmento PA

 


Conclusão

Vimos neste artigo vários detalhes da rede Profibus PA em termos de meio físico, dimensionamento e instalação que contribuem fundamentalmente como um todo para o sucesso de um sistema de controle e automação Profibus.

Referências

  • “O uso de protocolos digitais em automação e controle de processos”, César Cassiolato, Controle&Instrumentação Edição nº 82, 2003.
  • “Caixas de junção em barramentos de campo”, César Cassiolato, Marcos Mesquita, Controle&Instrumentação Edição nº 94, 2004.
  • “FISCO: Fieldbus Intrinsically Safe Concept”, César Cassiolato, Controle&Instrumentação Edição nº 95, 2004.
  • Material de Treinamento Profibus Smar, César Cassiolato.
  • www.smar.com.br

Últimas notícias

PATS - Programa de Atualização na Tecnologia SMAR realiza evento em Minas Gerais A Nova Smar S/A está presente na OTC - Offshore Technology Congress 26ª Feira Internacional de Tecnologia Sucroenergética Comunicado ao Mercado Estaremos na 10ª Edição da ISA Expo Campinas 2017 10ª Edição da ISA Expo Campinas 2017 SMAR na rota Internacional Sucroenergética 25ª Feira Internacional de Tecnologia Sucroenergética SMAR na ISA EXPO Campinas 2017 Smar presente no encontro Plugfest da FDI (Fieldcomm Group) em Berlim