loading

Profibus-PA - Especificações para o modelo de blocos




Leandro H. B. Torres
Engenheiro de Aplicações
Química e Petroquímica
www.smar.com.br

Os métodos de acesso ao barramento que os dispositivos Profibus-PA se utilizam, já foram extensivamente abordados em outros artigos. Por isso, o foco deste, está em como os sinais são tratados e transferidos dentro das estruturas desse protocolo, os chamados blocos objetos.

A padronização do Profibus-PA determina um conjunto de parâmetros universais que devem ser implementados. Isso assegura a compatibilidade de configuração entre dois tipos idênticos de dispositivos, construídos por diferentes fabricantes (Transmissores de temperatura e pressão, por exemplo).

Existem parâmetros ditos obrigatórios, que sempre devem estar presentes.
Outros, ditos opcionais, dependem da implementação de cada fabricante e do tipo de equipamento, por exemplo, alguns tipos de medidores mássicos.

Parâmetros do tipo Manufacturer-specific são usados para tornar viáveis as funções dos dispositivos que não seguem o perfil padrão, por exemplo, o parâmetro que estabelece o tipo de medição que um transmissor de temperatura com dois sensores deve executar (duas medições independentes, backup ou diferenciais). Estes parâmetros são acessados e configurados via ferramenta de configuração e podem estar descritos via EDDL ou DTMs de comunicação.

No caso dos dispositivos Profibus-PA que estão em conformidade com o padrão, esses parâmetros são organizados em blocos objetos. Dentro desses blocos, os parâmetros individuais recebem índices relativos para poderem ser acessados com eficiência e repetibilidade.
A figura 1 esquematiza o modelo de blocos para um sensor. Ele é composto de quatro tipos de blocos distintos, a saber: bloco de gerenciamento de dispositivo (Device Management), bloco físico (physical block), bloco transdutor (transducer block) e bloco de função (function block)

Figura 1 – Estrutura básica de um equipamento Profibus-PA

Basicamente, o sinal do sensor é convertido para um valor medido através do bloco transdutor e transferido para o bloco de função. Neste ponto, o valor medido pode ser escalonado e ter seus valores limitados (ver fluxograma representativo completo na figura 2), antes de disponibilizar seu valor de saída para a varredura cíclica do controlador mestre.
Já para um atuador, o processamento se dá na ordem inversa. O controlador mestre “joga” em sua saída um valor de ajuste (SetPoint), que serve como um valor de entrada para o atuador. O setpoint é transferido para o bloco transdutor, depois do tratamento de escala no bloco de saída(AO). O bloco transdutor processa esse valor e envia para a saída física, um sinal que “leva”, por exemplo, um posicionador de válvula para a posição desejada.



Figura 2: Fluxograma do transmissor de pressão LD303 (Cortesia Smar).

 

Gerenciamento de Dispositivo

Compreende o diretório para o bloco e as estruturas de objetos para o dispositivo. Ele fornece informações sobre:

            - Que bloco está presente no dispositivo;
            - Onde se localiza o endereço inicial (slot/index);
            - Quantos objetos cada bloco suporta;
           
Com essas informações, o programa de aplicação do mestre pode encontrar e transmitir os parâmetros obrigatórios e específicos de um bloco perfil.

 

Bloco Físico

Ele contém as propriedades dos dispositivos de campo. Esses  são parâmetros  e funções que não são dependentes do método de medição. Isso assegura que os blocos de função e transdutor sejam independentes do hardware. Ele disponibiliza as seguintes informações:

  1. Dados de identificação do dispositivo;
  2. Dados do Fabricante;
  3. Número de revisão do software e hardware do dispositivo;
  4. Dados de instalação do dispositivo;
  5. Dados de operação do dispositivo;
  6. Mensagens de diagnóstico, tanto para os parâmetros padrões quanto para os específicos de fornecedores;

 

Blocos transdutores

Os blocos transdutores situam-se como elementos separados entre os sensores, atuadores e display, e os blocos funcionais.
Com esse objetivo, eles se subdividem em três tipos: Transdutores de entrada, saída e display.

São responsáveis pelo processamento dos sinais de sensores ou atuadores no campo e disponibilizam um valor de saída que é transmitido através de interface particular a cada dispositivo, ou seja, ele reflete os princípios de medição. Os blocos transdutores também possuem parâmetros genéricos que permitem a todo dispositivo, que esse seja configurado através do modo básico de operação, mesmo que o seu arquivo GSD correspondente não esteja disponível na ferramenta de configuração. Os blocos transdutores estão associados aos blocos funcionais através de um parâmetro para o canal de hardware de E/S, no bloco de entrada e saída correspondente. Essa associação só pode ser feita entre blocos de um mesmo dispositivo.

Blocos transdutores como os de pressão, nível, vazão, temperatura, corrente e de análise, entradas e saídas discretas para switches além de blocos transdutores eletropneumáticos estão disponíveis.

 

Blocos funcionais

Devido à demanda dos aplicativos de automação para que os valores cíclicos se comportem sempre da mesma maneira, os blocos são concebidos para serem  os mais independentes quanto possíveis dos sensores e atuadores e do barramento de campo. Abaixo, são apresentados os cinco blocos atualmente padronizados:

  1. Entrada Analógica: Alimentado por um bloco transdutor de um sensor permite que sejam feitas simulações, caracterizações e escalonamento dos valores de saída. Esse valor de saída é requisitado ciclicamente pelo mestre classe 1 e aciclicamente pelo mestre classe 2.
  1. Totalizador: usado quando se deseja somar periodicamente os valores da variável de processo. Um exemplo clássico são os medidores de vazão. Semelhante ao bloco anterior, o valor de saída é requisitado ciclicamente pelo mestre classe 1 e aciclicamente pelo mestre classe 2.
  1. Entrada Discreta: Alimentado pelo bloco transdutor de uma chave de limite, permitindo a inversão do sinal. O valor de saída é requisitado ciclicamente pelo mestre classe 1 e aciclicamente pelo mestre classe 2.
  1. Saída Discreta: Ele recebe o sinal do bloco transdutor de um atuador “on-off”. O valor de entrada é fornecido pelo mestre classe 1.
  1. Saída Analógica: Ele recebe o sinal do bloco transdutor de um atuador contínuo (ou  “analógico”). O valor de entrada é fornecido pelo mestre classe 1.

 

Com esse tipo de estruturação foi possível se organizar e padronizar as implementação básicas dos vários dispositivos PA do mercado.
Através deles pode-se ainda, disponibilizar uma grande quantidade de informações tanto no que se refere à configuração quanto em diagnóstico e manutenção, mesmo em áreas classificadas.
Além disso, a padronização através do protocolo Profibus-PA, possibilitou a intercambiabilidade e interoperabilidade entre os diversos dispositivos oferecidos no mercado mundial. 

 

Referências Bibliográficas:

  1. Bela G. Lipták, - Process Software and Digital Networks –Instrument Engineers´ Handbook – Third Edition. ISA-The Instrumentation, Systems and Automation Society – 2002.
  1. Berge, Jonas. Fieldbuses for process control: engineering, operation, and maintenance. ISA-The Instrumentation, Systems and Automation Society – 2001.
  1. Cassiolato, César – Training, configuration and operation material – Smar – 1999~2004.

     

Últimas notícias

26ª Feira Internacional de Tecnologia Sucroenergética Comunicado ao Mercado Estaremos na 10ª Edição da ISA Expo Campinas 2017 10ª Edição da ISA Expo Campinas 2017 SMAR na rota Internacional Sucroenergética 25ª Feira Internacional de Tecnologia Sucroenergética SMAR na ISA EXPO Campinas 2017 Smar presente no encontro Plugfest da FDI (Fieldcomm Group) em Berlim Equipamentos à Prova de Explosão Produtos sem Procedência Comprovada