Ace Ethanol LLC protege investimento com tecnologia Foundation Fieldbus

segunda-feira, 16 de janeiro de 2006



A indústria norte-americana Ace Ethanol LLC, da cidade de Stanley, Wisconsin, produtora de aproximadamente 30 milhões de galões de etanol ao ano, adotou recentemente uma solução econômica para converter o seu sistema de automação do processo de moagem a seco aos novos controles Foundation Fieldbus da Smar.

A decisão da Ace de modernizar seu sistema de controle protegeu os investimentos feitos em instrumentação convencional, ao mesmo tempo colocando-a na via da mais recente tecnologia digital. A iniciativa deu tão certo que foi tema de um artigo técnico de cinco páginas publicado na edição de setembro da revista norte-americana "Ethanol Producer Magazine", de autoria de Tom Aumer, gerente industrial da Ace, e Tim Haley, engenheiro sênior de aplicações e gerente de projetos da Smar International. Antes da decisão, a empresa possuía um sistema baseado em Controladores Lógicos Programáveis, porém concluiuse que esta não era a solução mais adequada para a produção de etanol. O sistema exigia mais memória e recursos dos processadores para o armazenamento de grandes quantidades de dados.

A conclusão foi que um controle de arquitetura aberto baseado em Foundation Fieldbus proporcionaria a melhor plataforma para o futuro. Sendo assim, a Ace escolheu o System302, sistema de automação empresarial da Smar, como ponto de partida para a modernização dos controles. A Smar foi responsável pela instalação de um conjunto de dispositivos Foundation Fieldbus e pela conversão dos já existentes instrumentos 4-20mA ao protocolo Fieldbus, obtendo-se, assim, a integração de boa parte dos I/Os convencionais da fábrica à nova plataforma digital.

Segundo os técnicos da Ace, a facilidade da instalação é surpreendente e a nova arquitetura digital aberta permite o controle realmente distribuído por toda a fábrica. Graças à tecnologia, os dispositivos de campo possuem algoritmos PID proporcionando um controle mais seguro, confiável e próximo do processo. Os operadores passaram a dispor de uma IHM amigável em rede, integrando o sistema novo e o já existente por toda a extensão da planta, bem como gráficos de tendência que possibilitam o controle mais preciso das operações. A redução de custos, de acordo com a Ace, também foi significativa.