Smar automatiza ternos de moenda da Usina Trapiche

quinta-feira, 28 de outubro de 2010



A Smar, sempre oferecendo o que há de melhor para o setor sucroenergético, acaba de automatizar três ternos de moenda da Usina Trapiche. Localizada em Sirinhaém/PE, a usina fez investimento para eletrificar sua moenda, com o objetivo de obter melhores rendimentos no processo.

Até a safra 2009/2010 a Usina Trapiche possuía uma turbina para cada terno da moenda, assim cada turbina acionava simultaneamente todos os rolos do terno (press-roller, inferior, superior e saída). Para a safra 2010/2011, a usina implantou motores nos ternos 1, 2 e 5, e assim cada terno ficou com um motor para o press-roller, outro para o rolo de saída, e a turbina para os rolos inferior e superior. “A automação entrou para controlar esses acionamentos individuais e manter o sincronismo de acordo com cálculos matemáticos pré-definidos entre a Usina Trapiche e a Smar”, explica Dérek Stesse, Engenheiro de Aplicações da Smar.

Dedicado à eletrificação da moenda, o CCM (Centro de Comando de Motores) da Usina Trapiche é dividido hoje em quatro cubículos, sendo um para cada terno (1, 2 e 5) e outro reserva. Cada cubículo possui um inversor de frequência CFW09 – Weg para o press-roller e um CFW11 – Weg para o rolo de saída. Segundo Stesse, o cubículo reserva está disponível no sistema para substituir algum cubículo que apresente problemas. Porém, a fim de evitar que a usina faça relocação dos cabos ligados ao LC700, de um cubículo para o outro, a Smar deixou todos interligados, sendo que a troca de inversores de frequência no sistema é feita via PLC/supervisório. “Com esta facilidade, o operador da moenda tem a opção de escolher qual cubículo utilizar. Essa condição minimiza muito o tempo gasto nessa fase de transição, proporcionando maior agilidade na troca”, enfatiza.

A moenda da Usina Trapiche é automatizada pela Smar desde 2007, contando com o controlador lógico programável LC700, sinais analógicos (entradas e saídas 4~20mA) e digitais. Para o investimento de eletrificação da moenda foi mantido o LC700, com aumento de seu hardware por módulos de E/S, racks e acessórios. “Para uma aplicação complexa como a eletrificação da moenda da Usina Trapiche, o LC700 está atendendo ao processo de maneira satisfatória”, comemora Stesse.

Desde o início, a moenda conta com o software supervisório Indusoft Web Studio. Esta estação de operação possibilita aos operadores da moenda supervisionar e comandar a planta por meio de telas de sinóptico, sintonia de malhas de controle, alarmes, históricos, liga/desliga motores, entre outros. “Esta automação foi comissionada com agilidade e simplicidade, sendo possível efetuar todos os testes da lógica de controle com sucesso”, finaliza João Carlos Ferreira, Gerente da Filial da Smar em Recife.

 

 

Smar automatiza ternos de moenda da Usina Trapiche

Smar automatiza ternos de moenda da Usina Trapiche

 

 

Fonte: Mensagem Marketing e Comunicação