Arquitetura High Speed Ethernet é destaque em encontro técnico da ISA

quinta-feira, 14 de abril de 2011



Em Paulínia, SP, a ISA Seção Campinas realizou, no dia 22 de março, o 34º Encontro Técnico Mensal Redes Ethernet Industrial – Conceitos e Aplicações. Na ocasião, Leandro Torres, Gerente de Sistemas e Soluções da SMAR, apresentou a palestra “Projetos de automação baseados em redes High Speed Ethernet – Infraestrutura e Estudos de Caso”.

Cerca de cem profissionais de grandes empresas da região assistiram a SMAR,  Beckhoff, Siemens e National Instruments apresentarem evidências de como a Ethernet se tornou essencial em arquiteturas modernas de automação.

A SMAR é patrocinadora permanente da ISA Seção Campinas porque acredita na evolução contínua das tecnologias, que proporciona melhorias significativas em todos os níveis das empresas. “Além disso, esses encontros proporcionam a atualização e reciclagem técnica e mercadológica dos profissionais da área, disseminando novidades técnicas de forma gratuita e de qualidade, possibilitando o networking entre os profissionais e empresas participantes”, ressalta Torres.

O foco do gerente em sua apresentação foi mostrar a razão pela qual a EI (Ethernet Industrial) e, em especial, o protocolo HSE vêm sendo adotados de maneira tão forte em todos os tipos de empresa. “O ARC fez um estudo e levantou que a taxa de crescimento da adoção da EI está em torno de 30% ao ano”, explica.

 

Torres ainda abordou em sua apresentação os itens:

  • facilidade de interconexão entre ilhas de automação, uma vez que a Ethernet utiliza de uma infraestrutura relativamente barata e tem uma versatilidade imensa em relação a topologias, ainda mais se for considerada a utilização de fibra óptica e rádios Ethernet;
  • escalabilidade, pois o cliente pode facilmente expandir uma arquitetura de automação, apenas conectando os novos controladores ou dispositivos de rede às portas disponíveis das switches;
  • possibilidade de alcançar o determinismo, através da adoção de switches e da tecnologia HSE, normalizada pela Fieldbus Foundation, uma rede industrial Ethernet consegue limitar fatores que no passado impossibilitariam esse tipo de solução, como a latência e jitter na comunicação. Hoje é possível por meio da EI acesso em tempo real a malhas de controle altamente críticas;
  • facilidade de integração, alcançada pela utilização do poderoso conceito de blocos funcionais da Fieldbus Foundation. Eles permitem que elaboradas estratégias de controle sejam estabelecidas em quaisquer dispositivos de uma rede HSE, mantendo o conceito de sucesso de controle distribuído e multiprocessado das redes Fieldbus. Isso permite um ganho expressivo de produtividade e confiabilidade.

 

César Cassiolato, Diretor de Marketing, Qualidade e Engenharia de Projetos e Serviços da SMAR em sua participação durante o evento

 

Segundo Torres, o conceito de Bloco de Funções Flexíveis também foi destaque. “Esse conceito permite que o próprio usuário crie a rotina de controle e interfaces de intertravamento com o resto do sistema. A tecnologia Fieldbus permite que a propriedade intelectual de um projeto seja preservada e reutilizada em qualquer sistema HSE, através da geração automática de arquivos padronizados de integração como “Device Description” e “Capability Files”, finaliza.

 

Público presente na ISA Seção Campinas

 

Fonte: Mensagem Marketing e Comunicação